terça-feira, 2 de setembro de 2008

CARTA POÉTICA PARA MOACY CIRNE


Hoje, ao descer do ônibus com essa carta não escrita já no pensamento, me veio você. Com seu cheiro de sertão, com seus olhos cinzas de seca. Pois que todo sertanejo traz sua terra em seus olhos, carrega-a por sobre os ombros aonde for. Mas não é um fardo, é docemente leve, docemente salpicada na pele sulcada pelo sol.
Deixar o sertão é morrer pra se reinventar. Jamais seremos os mesmos. Quem sai do meio daquele fogaréu do meio dia, quem abandona a canção dos ventos da noite sertaneja só não perde sua identidade porque a leva na carne e nos olhos como a dor de um espinho de algaroba perfurando a sola do pé. O nosso sertão é como um bicho danado que nasce das corredeiras dos rios temporários na sua ânsia de encharcar a terra toda de uma vez. Quem já viu um rio botar cheia sabe do que estou falando. Ao mesmo tempo que destrói as margens e carrega tudo pela frente, ele encharca de vida e de verde toda a paisagem. Assim os homens sertanejos. Fortes e calados. De poucas palavras e grandes gestos. De poucos dizeres. De muita lida. Cercas vivas de pedras cruas. Todos nós, onde estivermos nos reconhecemos. Pelos olhos. Bando de homens seguindo a mesma estrada que vai dar sempre no mesmo lugar. Em algum pátio de capela onde toquem os sinos, onde haja uma vela acesa, uma procissão, uma fé.
Vejo juremas em flor em seus olhos. Ouço o aboio dos vaqueiros ao seu redor. Sinto o cheiro das jitiranas e o sabor dos umbus maduros nos seus olhos inquietos. O sertão não é só paisagem. O sertão é um modo de viver.

9 comentários:

Moacy Cirne disse...

Puxa vida, Menina, você me deixou encabulado. Que bela carta! Fiquei emocionado. De verdade, viu?!? Você é uma bela poeta e uma bela mulher. O que mais dizer? Beijos, queijos e cheiros.

Mulher na Janela disse...

Jeanne, o sertão é um belo modo de viver e, em sua sensível carta, reconhecemo-nos sertanejos. Merecidamente, Moacy torna-se um grande exemplo de toda essa magia que circunda os cactos. E que honra conhecermos essa figura tão amável.

Beijos...

Iara

Moacy Cirne disse...

Minha cara Jeanne: Há uma pequena surpresa pra você no Balaio de hoje. Beijos.

Grupo Casarão de Poesia disse...

Em prosa ou poesia, a sensibilidade te habita!

Abraços poéticos!

Mulher na Janela disse...

saudades...

beijo.

Maria Maria disse...

Jé, veja o blog de César Oliveira, chama-se o avesso do avesso. Tá linkado no espartilho. Depois a gente tricota!!! KKKK Beijos

Moacy Cirne disse...

Menina, quando tremos uma nova postagem? Beijos...

Moacy Cirne disse...

Jeanne, Jeanne: espero que você não tenha desistido de seu blogue. Um beijo.

fernando disse...

Oi Jeanne, gostaria de sua autorização para utilizar um poema seu, publicado no livro 13 poetas novos, num material que estou elaborando em homenagem ao dia 8 de março.
Desde já, agradeço e aguardo retorno,
Abs
Fernando Mineiro - deputado estadual
fernandomineiro@rn.gov.br
www.mineiropt.com.br