sexta-feira, 10 de julho de 2009

CANTARES

III

O anjo que me guarda
Acordou cruel demais.
Postou filete de sangue na porta
Parte de sua própria carnadura
E me trancou toda por dentro.
Saiu às ruas, em claro testemunho
E escreveu latente no portão: aqui jaz.
Despiu-se da pele de anjo
Cortou suas longas asas
E foi morar entre pernas
Onde todo perfume é doce.

10 comentários:

Maria Maria disse...

Bote erotismo entre as pernas!!! Brinque com minha amiga!! Amei esse poema!!!

Beijos

Moacy Cirne disse...

Viva, viva, você voltou!
E voltou mais erótica do que nunca...

Um beijo.

Moacy Cirne disse...

Menina, você foi pafrar no Balaio.

Beijos.

Marcelo Novaes disse...

Jeanne,




Belíssimo canto!



Vim do Balaio para cá, conferir.




Parabéns!







Beijos,







Marcelo.

BAR DO BARDO disse...

Isso é ótimo!

Jeanne Araujo disse...

Amo esse poema tbm Eme. Ele diz tudo né? bjo

Jeanne Araujo disse...

Moacy, acho q Virgulino veio me visitar nesse dia...rsrs.bjo

Jeanne Araujo disse...

Oi Marcelo e Henrique, sejam bem vindos.

Emerson Donizeti Batista disse...

Belo poema, erótico e lírico!

Jeanne Araujo disse...

tbm amo te ler meu querido émerson...