quinta-feira, 1 de outubro de 2009

CANTARES VIII

VIII

Quem, senão eu me refazendo extensa
Com dentes e pasto e mordeduras,
Sorvendo as horas que não passam,
Aprendendo demoras?
Desfio pequenos rosários
E não encontro o mais fundo de ti.
Então escrevo, procuro em vão
Minha cálida matéria.
Que eu te leve torto,
Suspenso, sem qualquer asa
Porque a mim importa
A peçonha aveludada,
A dor mais funda
Quando me percorres.

2 comentários:

Henrique Pimenta disse...

"...
Minha cálida matéria.
... a mim importa
A peçonha aveludada,
A dor mais funda
Quando me percorres."

Isso é muito bom, Jeanne. Sou favorável a todas as formas de amor, mas, sinceramente, acho que um homem se encaixa numa mulher feito arroz integral e gergelim.

"cálida matéria" - vou falar para a minha Gisele ler.

Parabéns!

Jeanne Araujo disse...

ô Henrique, desculpe-me o equívoco,sem querer troquei seu nome. Mas foi a correria do dia a dia. Só hj que percebi a gafe. Desculpe-me mais uma vez.
Quanto aos encaixes masculinos...alguns são perfeitos...rs...alguns...
Obrigada por estar sempre por aqui. bjos